Está acontecendo no campus da UFSC e da UDESC o 13º Mundos de Mulheres (MM)  e o 11º Seminário Fazendo Gênero duas iniciativas que visam debater problemas de gênero em relação com as lutas raciais, étnicas e religiosas. É a primeira vez que o MM acontece na América do Sul e participam do evento cerca de 8 mil mulheres de todos os cantos do mundo. O Sinergia também faz parte desta mobilização ajudando na organização e coordenação da “Tenda Feminista e Solídário ou simplesmente Tenda das Mulheres – Vivência e Intercâmbio Cultural – Espaço livre para uso coletivo” que promoverá até sexta-feira várias rodas de trocas de experiências.

A pergunta que muitos se fazem é se em pleno século 21 ainda é importante discutir o feminismo é respondida por duas coordenadoras da mobilização.

Para Cristina Scheibe Wolf, coordenadora geral do MM e professora da UFSC ainda existe muita desigualdade no mundo e no Brasil onde as mulheres, por exemplo, recebem 70% do salário dos homens. “Além disso o momento é crucial: estão questionando, em várias partes do mundo, direitos que dávamos por ganhos como a licença maternidade. Aqui, juntas – ativistas sindicais, camponesas, indígenas, quilombolas temos que debater maneiras de superar isso, como protagonistas dessas mudanças necessárias. O feminismo não atingiu a meta da igualdade. Não queremos ser a mesma coisa. Queremos poder ser diferentes num mundo sem hierarquias”.

 

Já Vera Gasparetto que coordena a participação dos movimentos sociais no evento lembra que a luta contra o feminicidio (morte de mulher em razão do seu sexo), contra os assédios no local de trabalho são necessárias e continuam urgentes. “Que dizer, por exemplo, da reforma da previdência que prejudica as mulheres sobremaneira? As disparidades estão presentes no nosso dia a dia e não está sendo fácil transformar esta realidade, por isso eventos como estes são importantes”.

O 13º MM já aconteceu em Israel, Holanda, Irlanda, Estados Unidos, Costa Rica, Austrália, Noruega, Uganda, Coreia do Sul, Espanha, Canadá e Índia. O próximo acontece em Moçambique. O tema este ano é "Transformações, Conexões, Deslocamentos", e até sexta-feira acontecem quatro conferências, 33 mesas redondas, 95 oficinas, 17 minicursos e 160 simpósios temáticos.

Amanhã, quarta-feira acontece a Marcha Internacional Mundos de Mulheres por Direitos, a partir das 17h, com saída do Terminal de Integração do Centro (Ticen). Durante a marcha haverá intervenção artística do bloco Cores de Aidê, composto por mulheres na percussão, voz e dança.