A omissão do presidente da Celesc Clecio Poletto de que é empregado licenciado da Engie, aprofunda os problemas éticos causados pela situação. Segundo voto dos sindicatos na Assembleia Geral dos Acionistas do dia 22 de janeiro: “Ao tomar essa atitude, de omitir a informação de que manteve-se empregado da Engie, o presidente Cleicio Poleto Martins afrontou a Lei 13.303/16, estando atualmente no cargo irregularmente.

CELESC e Engie, são concorrentes, em especial na geração, transmissão, energia distribuída, comercialização. O cadastro de clientes da Celesc Distribuição, com os consumidores potencialmente livres, pode dar a ENGIE um diferencial muito grande na conquista desses clientes, fortalecendo a sua comercializadora, considerando que a Engie é uma das maiores geradoras privada do país.

Também há conflitos na área de gás. A Celesc Holding é controladora da SCGAS, e a ENGIE também está nesse seguimento, novamente sendo uma das maiores no país. Portanto, é evidente o conflito de interesse existente entre um empregado (gerente) em licença sem remuneração da ENGIE e o cargo de Conselheiro e Diretor Presidente da Centrais Elétricas de Santa Catarina, já que em alguns seguimentos do setor de energia, as empresas são concorrentes ou, na melhor hipótese, a Celesc possui informações importantíssimas para alavancar ainda mais os negócios da ENGIE".

O voto foi encaminhado ao Ministério Público Estadual, ao Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina, à Assembleia Legislativa de Santa Catarina e à Comissão de Valores Mobiliários.