Privatização prejudica gestão dos Fundos de Pensão

A história mostra que as privatizações no Brasil tiveram consequências muito ruins para a sociedade. Seja na prestação de serviços com péssima qualidade, ou com tarifas que pesam muito no bolso da maior parte da população, seja na precarização das condições de trabalho, demissões ou retirada de direitos. Segundo a Associação Nacional de Previdência Complementar (Anapar), a privatização também trouxe prejuízos para a gestão de fundos de pensão. Em matéria publicada na última quarta-feira, a Anapar conta os prejuízos no Banesprev, fundo de pensão dos empregados do Banespa. Federalizado em 1995 e vendido para o Santander em 2000, o Banespa chegou a ter 37 mil trabalhadores. Com a privatização, as demissões e aposentadorias reduziram esse contingente e hoje são apenas centenas de trabalhadores na ativa. Nos fundos de pensão de empresas públicas os trabalhadores elegem a mesma quantidade de conselheiros indicados pela empresa. No entanto, no Banesprev, que tem 30 mil participantes, apenas dois componentes do Conselho Deliberativo são escolhidos pelos trabalhadores, enquanto o Santander indica quatro. Além de acabar com o patrimônio público, a privatização impõe perdas relacionadas ao controle absoluto da patrocinadora sobre o fundo, reduzindo os benefícios dos participantes em um duro golpe na aposentadoria complementar da classe trabalhadora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *