Category Archives: Notícias

STIEEL completa 50 anos de lutas

Sindicato representa a categoria do Planalto Serrano ao Extremo Oeste de SC

No dia 30 de maio o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Energia Elétrica de Lages – STIEEL comemora 50 anos. Fundado em 1974, com sede em Lages e base territorial com abrangência que vai do Planalto Serrano até o Extremo Oeste catarinense, o sindicato possui a maior extensão territorial da Intersul e da Intercel, atendendo a seis Agências Regionais da Celesc. Além dos trabalhadores da Celesc, o STIEEL abrange trabalhadores e trabalhadoras da CGT Eletrosul, Engie e DECELT. São mais de 800 filiados.

De acordo com o dirigente do STIEEL Jeferson Reis, “a atual Diretoria assumiu em janeiro de 2023 e hoje mantém o trabalho de luta pelos direitos de todos os trabalhadores”. Ele explica que o STIEEL “é reconhecido pelo seu histórico de lutas e conquistas e nos últimos cinquenta anos esteve presente em grandes mobilizações e nas lutas junto com a Intercel, sempre unidos em busca de melhores condições de trabalho e  valorização de toda a categoria”.

Além de compor a Intersul e a Intercel, o STIEEL neste ano está participando da fundação da Federação dos Eletricitários do Sul do Brasil (FESUL), mais uma grande conquista e um novo capítulo escrito na sua história.

Os festejos do jubileu de ouro serão realizados de forma descentralizada, conforme deliberado pela Diretoria, e devem ocorrer ao longo do ano, mas ainda sem datas definidas. 

Negociação do ACT 24/25 da CEREJ praticamente não avança

Sindicato aguarda retorno da cooperativa sobre cláusula que trata do Plano de Saúde

A negociação do Acordo Coletivo 2024/2025 dos empregados da CEREJ está bastante truncada. Começou com a empresa demorando a agendar a primeira reunião de negociação. Em seguida, na primeira rodada, em 22 de abril, foi informado que a direção da cooperativa não havia se reunido para debater a Pauta de Reivindicações da categoria. Na rodada seguinte, onde determinadas cláusulas seriam debatidas, a CEREJ simplesmente enviou um e-mail ao Sinergia com uma proposta pronta de Acordo Coletivo, sem debate. Levada para apreciação dos principais interessados – os trabalhadores -, a contraproposta da empresa ao ACT foi rejeitada por ampla maioria. A expectativa da categoria e do sindicato era que, numa segunda rodada de negociação, a direção da cooperativa apresentasse minimamente um avanço na contratação de algumas cláusulas novas, que poderia ser decisivo para sair do impasse. 

A segunda rodada de negociação foi realizada em 15 de maio. Conforme explica o Diretor de Políticas Sindicais do Sinergia, Carlos Alberto de Souza, “mais uma vez fomos surpreendidos, pois a comissão de negociação que representa a empresa comunicou que não tinha mais nada a oferecer além da reposição nas cláusulas financeiras. Ou seja, perdemos tempo precioso para nada avançar, o que é um desrespeito com os trabalhadores da CEREJ e com o Sinergia”. 

Carlos destaca que, em 20 de maio, o Sinergia recebeu da comissão de negociação uma nova contraproposta, em que a empresa, além de aplicar o reajuste salarial de 7,21% nas cláusulas econômicas, também concorda em atender ao pedido de alteração da cláusula 9 – SALÁRIO SUBSTITUIÇÃO: pelo critério para o substituto fazer jus ao salário do substituído, hoje é necessário que a substituição seja equivalente, pelo menos, a um período de dez dias. Pela nova proposta, o período baixa para cinco dias.

O Sinergia enviou um comunicado à comissão de negociação, solicitando um avanço na cláusula do Plano de Saúde, que atende a todos os trabalhadores. Até o fechamento dessa edição, ainda não havia uma resposta oficial da empresa ao pleito.

Eletrobras ensaia grande teatro, chamado de “Teatro dos Vampiros”

CATEGORIA PRECISA ESTAR UNIDA E DISPOSTA A LUTAR CONTRA ESSE “SHOW DE HORRORES”

A diretoria da Eletrobras desenvolve planos para aumentar o lucro dos acionistas, foi o que disse o seu Presidente, Ivan Monteiro, em entrevista nessa semana: “Queremos continuar pagando bons dividendos”. Querem aumentar os lucros dos acionistas como também a remuneração de seus executivos, demitindo trabalhadores, reduzindo salários e retirando direitos conquistados ao longo de muitos anos, com muita luta e suor.

Em quatro rodadas de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho com o Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE), em aproximadamente 8 dias de reunião, a Eletrobras brinca e desrespeita os trabalhadores, ignora a seriedade e o trabalho dos sindicatos na negociação, fazendo um verdadeiro “Teatro dos Vampiros”. Neste Teatro, a Eletrobras já demonstrou a que veio: quer destruir direitos históricos, como cláusulas como a do Quadro de Pessoal, com garantia de emprego e PDV, ou seja, quer demitir em massa quando bem entender.

Desde a primeira negociação, insiste em ter a autorização dos sindicatos para reduzir os salários dos trabalhadores, fazendo referência a uma nova arquitetura salarial da Empresa e para quê? Simples: para aumentar ainda mais a remuneração dos VPs e distribuir lucros cada vez mais polpudos aos acionistas.

Quer também destruir o Plano de Cargos e Remuneração dos trabalhadores, previsto em normativo interno desde 2010, com a desculpa esfarrapada de que agora cada um poderá construir sua carreira, palavras do Zé, VP de Gente, que de gente parece não entender nada. Aliás, pasmem!, o executivo, que deveria cuidar da gestão da Gente da Eletrobras, saiu de férias DURANTE a negociação do ACT. Ele recebe uma remuneração de quase R$ 700 mil para fazer gestão de Recursos Humanos, mas quando chega a hora de fazer o que talvez seja o trabalho mais importante da sua pasta, some, assim como sumiu da primeira Rodada de Negociação, em Brasília.

5ª rodada 

Nesta terça-feira, dia 21, o CNE foi para a quinta rodada de negociação – dessa vez, no Rio de Janeiro – e havia a expectativa que a Eletrobras passasse a levar a sério a negociação com os trabalhadores, maior patrimônio da companhia, a maior empresa do setor elétrico da América Latina. O que se vê até o momento é um teatro, pois demonstram apenas o interesse em sugar o sangue de trabalhadores e trabalhadoras, em prol de suas remunerações e do lucro exorbitante de acionistas. Eles esquecem que estão gerindo a grande ELETROBRAS, e que essa irresponsabilidade com a força de trabalho pode custar muito caro a todos os brasileiros. Estão brincando com o fogo, pois estão demitindo os empregados mais experientes da empresa e sucateando os seus direitos.

O CNE faz um grande esforço para fechar o acordo em mesa de negociação. Tanto que, na quarta rodada, apresentou a unificação das cláusulas dos ACTs específicos, reduzindo o texto de mais de 150 cláusulas para 46. Essa medida precisa ser considerada pela empresa como uma conciliação para que seja possível chegar a um acordo que garanta os direitos dos eletricitários e respeite a saúde e a segurança de toda a categoria.

Cabe destacar, também, que em desrespeito ao Acordo Coletivo de Trabalho vigente e a normativas interdas empresas do grupo Eletrobras, e sem nenhuma consideração e respeito com a vida, a direção da companhia continua agindo para destruir os Planos de Saúde de Autogestão dos trabalhadores, levando estes Planos para duas operadoras de mercado, a Bradesco e a Unimed. Muitas pessoas que usam o Plano de Saúde atual estão em meio a tratamentos de alta complexidade e de doenças graves, e estão desesperadas, pois pode haver a descontinuidade nesses tratamentos, o que pode ser fatal.

Para evitar mais transtornos aos trabalhadores, o CNE encaminhou ofício à Eletrobras solicitando a imediata suspensão de qualquer operação que envolva a contratação de planos de saúde de mercado.

Trabalhadores e trabalhadoras: não há outra alternativa a não ser: lutar, lutar e lutar! Não é possível se submeter a essa situação, que impõe demissões e perda de direitos conquistados com muita luta e suor ao longo de décadas.

Fique atento/a aos avisos do seu sindicato. Após a quinta rodada, serão realizadas as Assembleias Deliberativas nos dias 27 e 28 de maio, com indicativo de greve em todas as bases.

Intercel e Intersul se solidarizam com as vítimas da tragédia no Rio Grande do Sul

Saiba como ajudar as famílias atingidas

Mais uma vez, brasileiros e brasileiras sofrem uma catástrofe climática de grandes proporções. Dessa vez, o estado que vem sofrendo grandes consequências é o Rio Grande do Sul, tanto na porção central, como na região serrana e na área metropolitana de Porto Alegre. 

O cenário descrito nos jornais é de guerra: milhares de famílias sendo obrigadas a sair de casa por conta do alto volume de água, grande número de desaparecidos e quase uma centena de mortos por causa da enxurrada entre final de abril e início de maio. 

Foto: @movimentosemterra

Neste cenário, como é típico da população brasileira, além das forças governamentais, milhares de pessoas se dispuseram a ajudar, seja se deslocando ao Rio Grande do Sul, seja em suas cidades, arrecadando alimentos, materiais de higiene e dinheiro para ajudar na reconstrução das cidades atingidas. 

O Movimento Sem Terra (MST) construiu uma Cozinha Solidária na cidade gaúcha de Viamão para atender desabrigados da cidade de Eldorado do Sul e, desde a terça-feira, dia 7, está produzindo 1,5 mil marmitas por dia. A cidade é uma das mais afetadas pelas enchentes e o acesso para ajuda humanitária só pode ser feito por helicóptero. As famílias do MST envolvidas nesta ação de solidariedade também foram atingidas pela enchente e vivem em assentamentos que estão submersos. 

Para ajudar com a campanha de solidariedade promovida pelo MST, você pode ajudar pela chave PIX: 09352141000148, Banco 350, Agência 3001, Conta 30253-8, CNPJ 09.352.141/0001-48, Nome: Instituto Brasileiro de Solidariedade. Você pode conferir o trabalho feito pelo MST pelo instagram @movimentosemterra.

Quem também vem ajudando sobremaneira centenas de famílias afetadas pelas enchentes no Rio Grande do Sul é o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB). A instituição vem organizando desde a semana passada a distribuição de marmitas, em parceira com outras instituições, em Porto Alegre, Vale do Taquari e no baixo Jacuí. Para ajudar, você pode fazer um pix para o CNPJ 73.316.457/0001-83, em nome da Associação Nacional dos Atingidos por Barragens – ANAB.

Foto: @atingidosporbarragens

O MAB atua desde a década de 1980 com populações atingidas por barragens e tem longa experiência em ajudar a organizar as lutas de famílias atingidas pelo sistema de geração, distribuição e venda da energia elétrica, como no caso de Brumadinho, em Minas Gerais. Todo o trabalho desempenhado pelo MAB na ajuda às famílias no Rio Grande do Sul está sendo divulgado através do instagram @atingidosporbarragens. 

Além da ajuda financeira, também é possível doar diversos itens para ajudar nesse momento difícil pelo qual passa o Rio Grande do Sul. Nessa semana, as 26 unidades operacionais e sete delegacias da Polícia Rodoviária Federal em Santa Catarina, além da Sede Regional em Florianópolis, estão disponíveis para receber as doações, que serão encaminhadas à Defesa Civil do Rio Grande do Sul. Os itens mais solicitados nesse momento são colchões, lençóis e fronhas, alimentos não perecíveis, água, produtos de higiene, produtos de limpeza, ração para cães e gatos, copos e pratos plásticos. 

Os sindicatos da Intercel e da Intersul se solidarizam com todas as famílias atingidas e enlutadas no Rio Grande do Sul e no meio oeste catarinense, onde, na semana passada, a chuva também deixou um rastro de destruição e dezenas de famílias desabrigadas.

Negociação de ACT por e-mail é desrespeito com a categoria

Cerej apresenta proposta pronta de ACT, sem uma segunda rodada de negociação onde poderia debater a cláusula com o sindicato

Na segunda-feira, 6 de maio, a direção da Cerej enviou ao Sinergia por e-mail um retorno sobre as cláusulas que ainda não haviam sido debatidas na primeira rodada de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho 2024/2025. Foi informado que a Cooperativa garantiria reajuste salarial da inflação (IPCA 12 meses), de 4,62% e “prestigiando o esforço coletivo” ofereceriam um ganho real de 2,59% em todas as cláusulas econômicas. Nas demais cláusulas, o e-mail informa que permanecerão “com o mesmo teor do Acordo Coletivo de 2023-2024, exceto a nova cláusula de Cota negocial”. 

A primeira rodada de negociação, em 22 de abril, com a comissão que representa a Cerej já começou mal, pois a mesma informou que a direção da Cooperativa ainda não havia se reunido para debater o tema – o que demonstra enorme desrespeito com o maior patrimônio da Cerej, ou seja, seus trabalhadores e trabalhadoras que garantem o fornecimento de energia elétrica aos consumidores, faça chuva ou faça sol. Afinal, como pode uma representação patronal numa negociação não ter autonomia e respaldo da diretoria da empresa para debater cláusula a cláusula? O sentimento que fica é que a Diretoria da Cerej não estudou minuciosamente as contribuições e anseios de seus trabalhadores, que trouxeram inúmeras sugestões na Pauta do Acordo Coletivo. 

Além disso, a Cerej traz uma inovação absurda ao fazer apenas uma rodada de negociação, com debate sobre as cláusulas e, na sequência, traz um pacote pronto para ser apreciado pela categoria, sem qualquer possibilidade de negociar os pontos apresentados. A negociação serve, sim, para que as partes possam tentar ceder de um lado, ganhar de outro e chegar a um acordo minimamente razoável a ser apresentado e apreciado pela categoria. 

Diante do descaso da diretoria da Cerej em ouvir os argumentos trazidos pelos trabalhadores, e sem incluir cláusulas novas que seriam importantes para a categoria, o Sinergia fez ontem (quarta-feira) Assembleias com indicativo pela rejeição da proposta. A Cerej precisa dar valor à negociação, ouvir e debater cláusula a cláusula com quem, de fato, representa seus trabalhadores. 

Até o fechamento desta edição, as assembleias não haviam sido encerradas. Caso a contraproposta seja rejeitada e a Diretoria da Cerej se recuse a voltar a negociar, o Sinergia solicitará mediação junto ao Ministério Público do Trabalho.

Intercel planeja Campanha Data-Base da Celesc

SINDICATOS CONSTRUÍRAM AGENDA DE ATIVIDADES ATÉ O FECHAMENTO DO ACORDO OU INÍCIO DA GREVE, EM SETEMBRO

A Intercel se reuniu para planejar a Campanha Data- -Base 2024/2025 de trabalhadores e trabalhadoras da Celesc na última semana, entre os dias 1° e 3 de maio. Realizado em Lages, o encontro contou com a presença de dirigentes da Intercel, do deputado federal Pedro Uczai (PT), do deputado estadual Fabiano da Luz (PT), da assessora econômica do DIEESE, Crystiane Peres, do Representante dos Empregados no Conselho de Administração da Celesc, Paulo Horn, bem como do Diretor Administrativo-Financeiro da Celos, Leandro Nunes. O evento foi coordenado pelo educador popular Emilio Gennari com assessoria da pedagoga Júlia Souza. 

Em pauta, a discussão sobre os passos da Campanha Data-Base na Celesc, que inicia no mês de maio e se estende até setembro, com fechamento de Acordo, ou, caso contrário, deliberação de movimento de greve.

Também foram debatidos pontos-chave de luta para a categoria, como a necessidade de contratação imediata de empregados próprios – especialmente para as áreas- -fim – e um basta nas terceirizações, a melhoria da comunicação dos sindicatos com a categoria – o que inclui o retorno do jornal Linha Viva semanalmente às bases -, o debate sobre a evolução dos Grupos de Trabalho com empresa e Intercel e a necessidade de avanço urgente das negociações do Acordo de Participação nos Lucros e Resultados 2024. 

Ao final do encontro, foi feita também a mudança da Coordenação da Intercel, que ocorre todos os anos em forma de rodízio entre os sindicatos que compõem a intersindical. Marlon Gasparin, que representava o STIEEL na Coordenação, passou o bastão para Caroline Borba, do Sinergia, que se tornou a primeira mulher a coordenar a entidade. 

Confira as ações organizadas para o Dia do Trabalhador em SC

A programação do estado conta com atos culturais, panfletagens e shows

Mais um 1º de maio está se aproximando e para marcar esta data histórica de luta da classe trabalhadora, ações estão sendo organizadas em diversos municípios de Santa Catarina com a participação dos sindicatos CUTistas. A programação do estado conta com atos culturais, panfletagens e shows.

O destaque é o ato cultural na Beira Mar de São José organizado pelos sindicatos CUTistas da Grande Florianópolis, em parceria com outras centrais sindicais, que contará com apresentações da banda Africatarina, do grupo de teatro Madalenas na Luta, de Boi de Mamão e do músico João de Paula. O evento acontecerá das 14h30 às 18h.

Sob o tema “Por um Brasil mais Justo”, o 1º de Maio destaca as pautas de luta por emprego decente, correção da tabela de Imposto de Renda, juros mais baixos, valorização do serviço e dos servidores e servidoras públicos, salário igual para trabalho igual e aposentadoria digna.

Confira as atividades alusivas ao Dia do Trabalhador que acontecerão em Santa Catarina:

BLUMENAU – Feijoada dos Trabalhadores no dia 1º de maio, a partir das 11h, na Associação do Samae

CAÇADOR – 16º Baile do Trabalhador no dia 30 de abril, às 23h, no Clube 29

CHAPECÓ – Colocação de faixas, panfletagens nas agroindústrias e mutirão com conversa sobre o significado de ser trabalhador/a no contexto atual nas casas dos trabalhadores/as na região da EFAPI

CRICIÚMA – Atividades para as crianças no bairro Renascer no dia 1º de maio, às 15h, com cama elástica, piscina de bolinhas, algodão doce e muito mais

GRANDE FLORIANÓPOLIS – Ato com música, teatro e cultura na Beira Mar de São José no dia 1º de maio, das 14h30 às 18h, com banda Africatarina, grupo de teatro Madalenas na Luta, apresentação de Boi de Mamão e do músico João de Paula.

JOINVILLE – Panfletagens nos dias 29 e 30 de abril e Festa do Trabalhador no dia 1º de maio, na Recreativa do Sindicato dos Metalúrgicos de Joinville, das 9h às 23h, com música ao vivo e torneio de futsal infantil

JARAGUÁ DO SUL – Panfletagem no Terminal Urbano no dia 30 de abril

SÃO MIGUEL DO OESTE –Mateada, shows regionais e atrações para as crianças no dia 1º de abril, a partir das 15h.

Informações: CUT/SC

Primeira rodada de negociação frustrante

ELETROBRAS TENTA “TERCEIRIZAR” NEGOCIAÇÃO E RETIRAR DIREITOS

Às vésperas da primeira rodada de negociação do ACT, trabalhadores e trabalhadoras da Eletrobras estavam na expectativa do que viria. Após encerrar o mês de março nas mídias de forma positiva, arrematando quatro linhas no leilão de transmissão em 28 de março – fruto do conhecimento de alto nível dos técnicos que se formaram na história da empresa – a categoria esperava que o reconhecimento de seu trabalho se refletisse na mesa de negociação.
A Pauta de Reivindicação foi enviada para a empresa em 29 de fevereiro, procurando antecipar ao máximo o início das negociações e garantir um ACT que respeitasse a qualidade do quadro técnico altamente especializado da Eletrobras. A expectativa era que o discurso de que “somos um time”, estivesse presente na mesa de negociação, um “time” onde todos têm seus direitos reconhecidos e sua dignidade preservada.
Esperávamos que o clima de redução de custos que tem sido o mantra da gestão da Eletrobras seja a redução de custos em serviços, que cresceu 14% no último período, ou na folha de pagamento dos administradores, que cresceu 37%. Enquanto isso, a folha de pessoal teve uma redução de 33%, muito devido à redução do quadro, fazendo com que trabalhadores e trabalhadoras que hoje estão na empresa aumentem exponencialmente sua produtividade para garantir a manutenção do Sistema Elétrico Nacional. Em muitos casos, levando até ao adoecimento.
Esperamos que a gestão da Eletrobras reconheça, no curso da negociação desse ACT, a importância da categoria, tal qual reconhece sua própria importância. A expectativa era que, nessa primeira rodada, a empresa apresentasse a prorrogação dos ACTs e termos vigentes para que se tenha uma negociação de fato. Ainda, esperamos que todo e qualquer processo de negociação se guie não apenas pela igualdade, mas que considere o conceito de equidade, haja vista a diversidade existente entre as partes.
A primeira rodada de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho da Eletrobras foi realizada na tarde dessa terça-feira, dia 2. De acordo com dirigentes do Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE) presentes na reunião, “a Eletrobras faltou com respeito às pessoas trabalhadoras, terceirizando a negociação coletiva e apresentando uma proposta de retirada de direitos e benefícios”. Além disso, informaram que “o CNE apresentou suas premissas para a negociação, que passam pela isonomia de direitos entre a categoria e a garantia de condições dignas de trabalho”.

Essas eram as informações dos negociadores da Intersul até o fechamento desta edição. É importante que a categoria permaneça atenta aos boletins dos sindicatos e do CNE. Só com a atuação coletiva será possível garantir os empregos e direitos.

Conselheiro Paulo Horn faz percorrida anual de prestação de contas

Até o final de abril, Paulo visitará todas as Agências Regionais e Administração Central da Celesc

O representante dos Empregados no Conselho de Administração da Celesc, Paulo Horn, iniciou em março mais uma percorrida anual de prestação de contas de seu mandato. A percorrida nesse ano iniciou pela Regional de Mafra e já passou por Itajaí, Criciúma, Tubarão, Lages e Rio do Sul. Hoje, dia 4, Paulo visita a Regional de Blumenau. Na semana que vem, o Conselheiro visita as Regionais de São Miguel do Oeste (segunda-feira), Chapecó (terça-feira), Concórdia (quarta-feira) e Joaçaba (quinta-feira). 

É fundamental que a categoria se empenhe em participar dos encontros com o Conselheiro e faça os questionamentos e apontamentos que considerar importantes. Afinal de contas, Paulo é a voz da categoria no Conselho de Administração da empresa.

Representantes sindicais de base são eleitos pela categoria

Eleição foi realizada em 25 de março. Posse está prevista para 27 de maio

Na segunda-feira da semana passada, 25 de março, o Sinergia promoveu a eleição para Representantes Sindicais de base de sua área de atuação (Grande Florianópolis). Foram eleitos para a função dezesseis trabalhadores em diferentes postos de trabalho da Cerej, Celesc e CGT Eletrosul. A missão das pessoas eleitas é representar o Sinergia em seu local de trabalho, ouvir demandas da categoria, encaminhá-las à direção do sindicato, participar das reuniões da direção do Sinergia, de rodadas de negociação e ajudar a manter a categoria bem informada e mobilizada sobre as lutas. A posse está prevista para o dia 27 de maio e o mandato será de dois anos.

De acordo com o Coordenador Geral do Sinergia, Tiago Vergara, o balanço final do pleito foi bastante positivo: “não houve qualquer intercorrência durante o processo de votação, todos os trabalhadores conseguiram votar sem problemas e ainda tivemos um saldo bastante positivo, com a filiação de doze novos trabalhadores ao Sinergia somente no dia da votação”.

Confira a seguir os nomes dos eleitos:
CGT Eletrosul Sede: Fábio Cabrera, Thiago Matos
Correa, Lucas Melrose, Márcia Mara de Lara Feldmann,
Diego Luís Tedesco Dandolini e José Ricardo
Tavares
Cerej Sede Biguaçu: Ricardo Scheidt e Ricardo Nemesio
Luz
Cerej Nova Trento: Jackson Jacinto Mistura
Celesc SPOM Serra: André Farias Ferreira
Celesc COAT Biguaçu: Lariessa Natagla Garbossa
Celesc Palhoça: Djan Marcel Mendes da Silva
Celesc Loja São José: Maycon Andrigo Santiago
Celesc Loja Florianópolis: Marcus Vinicius Martins
Celesc Administração Central: Cristina da Silva
Pedro, Irani Dias Júnior, Maria Aparecida Martins e
Marcos Antônio dos Santos

O Sinergia agradece a todas as pessoas que colocaram
seu nome à disposição do pleito e parabeniza
a categoria pela ampla participação no processo eleitoral.